Estufa Fria de Lisboa

Uma joia de exotismo escondida no coração de Lisboa

Aberto no(s) dia(s):

22/23 29/30

10:00 — 18:00

Parque Eduardo VII

* Visita livre sujeita a limite de lotação

A vasta coleção de fetos e begónias, bananeiras e estrelícias, fetos arbóreos e palmeiras é um convite imersivo à exuberância de uma selva tropical.

Em 1885, com a abertura da Avenida da Liberdade, tornou-se necessário arranjar um espaço onde aclimatar as árvores e espécies antes de as transplantar para a nova artéria da cidade. Aproveitando a antiga cicatriz de uma pedreira de basalto, cuja a abundância de linhas de água levaram ao seu encerramento, foi ali criado um pequeno viveiro. Com a entrada no novo século e a atenção na Primeira Grande Guerra, as plantas estabeleceram-se, dando forma a um novo espaço verde. Em 1926 o arquiteto e pintor Raul Carapinha idealizou-o sob uma grande estufa e, em 1933, foi inaugurada a estrutura. Mais tarde, em 1978, foram inauguradas as Estufas Quente e Doce, aumentando a maravilhosa coleção de plantas trazidas de vários locais do mundo.

Para enriquecer a visita, o roteiro “A Estufa Fria de Lisboa pelos nossos pés” convida-o a seguir um percurso que vai sendo direcionado através de desafios que lhe são colocados junto de locais ou de espécies alvo de atenção especial. Este será disponibilizado gratuitamente aos participantes do Jardins Abertos.


Atividades relacionadas

22/23 29/30

10:00 — 18:00

Exposições

Sons e Matérias da Paisagem

— Museu da Paisagem na Estufa Fria de Lisboa

Apresentação em filme da exposição “Sons e matérias da paisagem”, uma experiência interativa desenvolvida pelo Museu da Paisagem na qual se navega ao som do canto das aves das paisagens do Tejo. Sequências fotográficas de diferentes lugares da bacia hidrográfica do Tejo, realizadas por Duarte Belo, vão sendo combinadas em pares. Sempre que um par de fotografias se forma, escuta-se o som de uma ave que habita em ambos os lugares. Estes cantos de aves do Tejo, recolhidos pelo músico e sonoplasta Magnus Robb, são assim o fio de ligação de um território sensorial composto por paisagens sonoras e visuais fragmentárias.

Local: Estufa Quente, Estufa Fria de Lisboa, Parque Eduardo VII

A exposição está sujeita a limite de lotação e é obrigatório o uso de máscara.

22

19:00

Oficinas Virtuais Virtual

Cosmética Biológica

c/ ORGANII

Como contribuir para um mundo onde o consumo seja consciente e as práticas do quotidiano sejam sustentáveis, onde todos os produtos possam ser produzidos com base em ingredientes biológicos cultivados sem pesticidas e herbicidas, livres de químicos e produtos sintéticos? Neste episódio vamos discutir ideias e práticas, sob a filosofia do zero waste, com a ORGANI, loja multi-marca de cosmética biológica, onde se ensina a produzir um bálsamo com produtos naturais, para ajudar a aliviar a expetoração e a obstrução nasal.

A edição virtual será composta por várias coleções de vídeos temáticos que serão disponibilizados ao longo dos dois fins de semana do festival através do nosso canal de YouTube.

23

16:00

Oficinas

Cosmética Biológica

c/ Organii

A filosofia por detrás da ação da loja Organii é contribuir assim para um consumidor mais informado, que prefira o melhor para o planeta, para as pessoas e animais que o habitam. Nesse sentido, todos os produtos são produzidos com base em ingredientes biológicos cultivados sem pesticidas e herbicidas, livres de químicos e produtos sintéticos. Esta atividade irá consistir na discussão de práticas sustentáveis e de consumo sustentável, bem como na demonstração prática da preparação de uma pasta de dentes natural e biológica.

Local: Centro de Interpretação da Estufa Fria, Parque Eduardo VII
Orientada por: Cátia Curica

Seguindo as normas e orientações da DGS, esta atividade tem a lotação de 16 pessoas. O acesso é feito por ordem de chegada e é obrigatório o uso de máscara.

29

16:00

Outras Atividades

Conversa com os autores da exposição

Sons e Matérias da Paisagem

Um ornitólogo, um sonoplasta e um fotógrafo juntam-se para partilhar a sua experiência de criação da exposição “Sons e matérias da paisagem''. Ricardo Tomé apresenta-nos as aves que habitam as paisagens do Tejo, Magnus Robb revela-nos o processo de captação do canto das aves e Duarte Belo descreve-nos o registo fotográfico desse território sonoro.

Local: Escadaria Principal da Estufa Fria de Lisboa, Parque Eduardo VII
Com: João Abreu, Ricardo Tomé, Magnus Robb, Duarte Belo

Seguindo as normas e orientações da DGS, esta atividade tem a lotação máxima de 34 lugares (27 almofadas e 7 cadeiras). O acesso é feito por ordem de chegada e é obrigatório o uso de máscara.